fbpx

As 7 características das Melhores Escolas de Ensino Médio do Mundo

Quando tudo muda é bom estar de olho no que os melhores estão fazendo para acompanhar as transformações em curso. E na educação não poderia ser é diferente.

É por isso que avaliamos as 100 melhores escolas do mundo e encontramos entre elas 7 características em comum.

Acreditamos que essas características comuns a todas as melhores escolas do mundo tenham algo a nos falar sobre qual escola está mais preparada para atender às necessidades que o futuro tem para os nossos filhos.

1. Estimula o protagonismo

Estimular o protagonismo dos alunos significa fazer com que eles gostem da escola. E isso acontece fazendo com que o aluno seja estimulado a tomar decisões e assumir a responsabilidade sobre elas.

As melhores escolas do mundo atribuem responsabilidades aos seus alunos. Algumas delas provocam seus alunos a fazerem projetos, tanto pessoais como sociais. Ou seja, em um primeiro momento os alunos são estimulados a serem protagonistas em projetos em que eles mesmos serão os maiores beneficiados. Nessa lista entram ações desde escrever livros, fazer filmes ou construir materiais e artefatos.

Agora, em um segundo momento ser protagonista significa fazer algo por outra pessoa ou em nome de uma causa. Assim, muitas escolas estimulam que seus alunos façam projetos sociais em comunidades ou instituições carentes. Também vale criar blogs voltados às causas animais e humanitárias.

As melhores escolas do mundo estimulam o protagonismo porque nada acontece na vida de alguém se ela não tomar as rédeas do seu próprio destino. E é isso que os jovens mais precisam hoje em dia.

2. Os professores têm traços de mentoria

O papel da escola é apresentar aos seus alunos conhecimentos e oportunidades de desenvolvimento de habilidades e atitudes para que vivam de forma virtuosa, buscando a verdade, o protagonismo, o auto-desenvolvimento, o entendimento do mundo e de seu papel nele, incentivando-os a se tornarem, constantemente, uma melhor versão de si mesmos.

Nesse ecossistema escolar, o papel do professor, além do descrito acima, é incentivar, fazer as perguntas certas, promover a experimentação, motivar, dar o exemplo, mostrar como o que é ensino em sala de aula se relaciona com a realidade.

Ter traços de mentoria significa ouvir o que os seus alunos tem a falar e apresentar os prós e contras das situações apresentadas. Os professores utilizam seus conhecimentos e experiências para dar perspectiva aos alunos, nunca dizendo o que fazer, mas dando a eles elementos que deixe eles preparados para as decisões que tomarem para suas vidas.

3. Escola aberta

As melhores instituições de ensino contam com alunos em suas dependências por mais tempo. Elas conseguem isso deixando suas portas abertas para que os alunos usem as suas dependências em práticas esportivas, cursos extracurriculares atraentes, atendimento individual aos alunos e espaços de convivência.
Ter uma escola aberta não significa que eles utilizarão as dependências da escola como a extensão de um shopping ou de um passeio público. Permitir e estimular a permanência dos alunos na escola significa dar motivos para eles gostarem do ambiente e utilizá-los com supervisão de profissionais capacitados e com propósitos bem claros.

Portanto, transformar as escolas em uma referência na vida dos alunos é a melhor forma de utilizar essa fase tão importante da vida em um momento agradável e produtivo.

4. Uso inteligente das tecnologias

Chegamos a um nível de tecnologia em que se uma escola não está presente nas redes sociais ela simplesmente não existe. E as melhores escolas do mundo não só utilizam as redes sociais como conduzem seus alunos para utilizarem as mais diversas tecnologias da forma mais consciente e produtiva possível.

A gigante da tecnologia Google, por exemplo, criou a plataforma Google For Education. As melhores escolas do mundo utilizam sistemas como esse para estimularem os alunos da forma que eles mais gostam: por meio da internet.

O Google for Education é uma solução tecnológica desenvolvida para facilitar a vida de professores e alunos dentro e fora das salas de aula, a qualquer hora e a partir de qualquer dispositivo móvel conectado à internet.

Se é na internet que as coisas acontecem e onde a atenção das pessoas está, nada melhor do que utilizá-la para educar a juventude.

Mas a grande questão é que as novas tecnologias não devem ser ignoradas e também não devem ser glorificadas. Temos que equilibrar essa equação para que a sua utilização seja feita de maneira produtiva, consciente e efetiva.

5. Ensino contextualizado

As melhores escolas do mundo utilizam o estudo contextualizado. O aluno sabe exatamente porque está estudando aquela matéria e no que aquele conhecimento pode ser utilizado.

Parece algo lógico, mas pouco aplicado de fato. E isso não acontece, porque muitos professores não desenvolveram esse tipo de competência.

O método americano Teach Like a Champion é um conjunto ordenado de técnicas que permite que os professores promovam uma metodologia de ensino mais interessante, produtiva e contextualizada.

As melhores escolas do mundo têm professores que aplicam o Teach Like a Champion ou técnicas de ensino semelhantes, voltadas para o ensino contextualizado. Dentro desse espectro de atuação do professor ferramentas como o Google For Education são grandes pilares dessa forma de educação com excelência.

6. Um segundo idioma forte

O mundo nunca esteve tão globalizado. As distâncias encurtaram bastante e com isso a necessidade de falar a mesma língua que todo mundo é fundamental.

É por isso que as escolas mais preocupadas com a excelência de suas práticas ou tem ensino bilíngue ou realmente valorizam o segundo idioma que se propõem a oferecer.

O que vemos nas escolas tradicionais é apenas o básico do básico. Trata-se de algo monótono e que não acrescenta em nada o aprendizado de um novo idioma.

Outro aspecto das escolas que realmente valorizam o ensino de idiomas, é o fato de que existe um direcionamento. O ensino de um novo idioma não é apenas por puro e simples conhecimento, mas para que atenda uma necessidade do mercado de trabalho e da própria vida social dos jovens.

Arriscamos dizer que, nos próximos anos, não ter um conhecimento profundo de um segundo idioma será uma necessidade tão grande quanto a alfabetização na língua pátria.

7. Conexão com o mercado de trabalho

As melhores escolas do mundo não ignoram o mercado de trabalho como a grande maioria das instituições de ensino faz. As melhores escolas não prepara alunos, mas pessoas. E pessoas devem estar preparadas para a vida.

Portanto, o mercado de trabalho deve ser algo incorporado na perspectivas dos alunos, principalmente para aqueles que já estão na reta final dos estudos.

A escola vai passar, mas a vida não. É por isso que apontar direções, capacitar e refletir temas relacionados ao mercado de trabalho é tão valorizado pelas escolas mais desenvolvidas do mundo.

As instituições que mais se destacam hoje em dia sabem que um bom profissional precisa de mais competências a serem desenvolvidas do que as escolas tradicionais oferecem. Ou seja, as melhores práticas de ensino indicam Liderança, Comunicação, Colaboração e Gestão de Tempo como competências a serem desenvolvidas já na escola. É isso que o mercado exige e é isso que as melhores instituições de ensino fazem. Junte-se a elas!